segunda-feira, 16 de setembro de 2013

LUTAR POR ALGO


“os quais, por meio da fé, subjugaram reinos, praticaram a justiça, obtiveram promessas, fecharam bocas de leões, extinguiram a violência do fogo, escaparam ao fio da espada, da fraqueza tiraram força, fizeram-se poderosos em guerra, puseram em fuga exércitos de estrangeiros. Mulheres receberam, pela ressurreição, os seus mortos. Alguns foram torturados, não aceitando seu resgate, para obterem superior ressurreição; outros, por sua vez, passaram pela prova de escárnios e açoites, sim, até de algemas e prisões. Foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos ao fio da espada; andaram peregrinos, vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos, maltratados (homens dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, pelos montes, pelas covas, pelos antros da Terra. Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé, não obtiveram, contudo, a concretização da promessa, por haver Deus provido cousa superior a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados”. (Hebreus 11:33-40)

Admiro muito os heróis (principalmente, os que são guerreiros), pois desde criança sonho em ser um deles. Conheço a História e a Bíblia, portanto, posso falar com propriedade sobre os homens que mudaram a História e impactaram a sociedade não apenas fazendo a diferença, mas sendo a diferença.

Eu sei manusear armas de fogo, e também sei algumas técnicas de artes marciais, mas ainda não me sinto preparado para combater o mal. Não tenho medo da morte, mas, sim, da vida. Não tenho nenhum medo do Inferno, e nem me amedronto diante do terror da morte. Quero fazer a diferença. Desejo proteger os indefesos. Almejo defender os inocentes. O meu motivo é justo, e estou disposto a morrer por isso.

Os heróis bíblicos (tanto do Antigo Testamento quanto do Novo Testamento) não temiam a morte e pelejavam bravamente, porque eles lutavam pelo que acreditavam. Militares, políticos, profetas, reis, homens de vários setores da sociedade faziam a vontade de Deus, que era combater o mal. Deus sempre quis que os seus servos protegessem os fracos e oprimidos, porque o Altíssimo nunca aprovou a omissão perante o mal.

“Mas o juízo se converterá em justiça, e segui-la-ão todos os de coração reto. Quem se levantará a meu favor, contra os perversos? Quem estará comigo contra os que praticam a iniqüidade? Se não fora o auxílio do Senhor, já a minha alma estaria na região do silêncio”. (Salmo 94:15-17)

Desejo lutar por causas nobres, pois é melhor morrer por algo, do que viver por nada. Quero viver e morrer com honra. Almejo praticar a justiça e fazer o que é correto. Desejo ser íntegro e honesto, como o José do Egito, e como o Daniel da cova dos leões. Quero ser mais parecido com Jesus. Almejo ser a imagem e a semelhança de Cristo. Estou disposto a morrer fazendo o que é certo. Desejo viver honradamente. Quero ter uma morte honrada.

“Portanto, aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz, nisso está pecando”. (Tiago 4:17)

A omissão diante da maldade é hedionda, porque somente os covardes sem coração se omitem e negam ajuda para os fracos e necessitados. Nós, cristãos, mais do que qualquer pessoa, temos a obrigação de proteger os inocentes. Nós temos o dever de amparar os órfãos e as viúvas. Nós devemos ajudar todas as pessoas que precisam de nossa ajuda, porque isso agrada o coração de Deus. A vontade de Deus é que nós, seus servos, lutemos contra o mal e defendamos os indefesos que não podem se defender. Isso é correto e agradável perante os olhos do Senhor, Deus de Israel. Nós devemos pelejar em Nome do Senhor dos Exércitos contra todo o mal que ameaça o mundo (tanto o físico quanto o espiritual). Os malfeitores e os demônios são os nossos inimigos, portanto, temos que combatê-los.
  
“Qualquer pessoa é criminosa quando promove uma guerra evitável, e também o é quando não promove uma guerra inevitável”. (José Martí)

Muitas vezes, para se chegar à paz, é preciso passar pela guerra. A guerra deve ser o último recurso a ser usado, mas muitas vezes, a guerra é necessária para poder combater o mal. Não devemos nos omitir perante as coisas erradas, mas, sim, temos que lutar pelo que é justo e correto, porque isso é o certo a se fazer. É melhor lutar por algo, do que viver por nada.

Nenhum comentário: