terça-feira, 30 de julho de 2013

ENCONTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES


No dia 23 de julho de 2013, eu fui para a base de Pitangui da JOCUM (Jovens Com Uma Missão), e participei do ENA 2013 (Encontro Nacional de Adolescentes) do ministério de King’s Kids. A viagem durou umas 10 horas, e eu fui no ônibus ao lado do meu grande amigo Phill (o Barriga, conhecido também como Renato Russo). Eu fiquei no mesmo quarto que o Phill, o Hiago, o Lucas, e o Murilo (grandes amigos meus). Divertimos-nos muito no ENA.

Conheci algumas garotas encantadoras que são verdadeiras servas de Deus. Eu tinha uma imagem distorcida das garotas evangélicas (conheci muitas que dão mau testemunho, ou seja, que tiram fotos sensuais e que ficam com todo mundo), mas essas meninas que conheci são umas bênçãos. Elas são de Deus mesmo. Winie, Beatriz, Larissa, Sara, e Rachel, são jóias preciosas. Essas garotas são extremamente lindas (tanto por fora quanto por dentro). Elas são formosas tanto na aparência quanto no coração. Adorei conhecê-las. Eu louvo a Deus, por Ele ter colocado essas garotas na minha vida. Isso melhorou bastante a minha situação deplorável. Não me sinto mais deprimido, porque vi que existem meninas evangélicas que levam Deus a sério. A Winie se tornou minha grande amiga. A Winie é um presente de Deus na minha vida. A Beatriz e a Larissa são muito divertidas e engraçadas. A Sara e a Rachel são irmãs, e são muito legais e gente boa. Adorei conhecer cada uma delas. Essas garotas são pessoas maravilhosas. Também adorei comprar e comer os pães de mel que a Beatriz vendeu. Como estou feliz por ter conhecido a Winie, a Beatriz, a Larissa, a Sara, e a Rachel! Eu adoraria ser amigo de todas elas (da Winie, eu já sou amigo). Eu adoro companhia feminina (somente para conversar mesmo). Adoro conversar com as garotas (principalmente, com as servas de Deus). Considero as mulheres seres maravilhosos e extraordinários. Essas meninas que conheci, são maravilhosas e extraordinárias. Valeu à pena conhecer cada uma delas.

No acampamento do ENA, eu conheci a doutora Damares, que pregou contra a pedofilia. Conheci também o Pedro do Borel, um grande pregador. Também ouvi as pregações de um “gringo” (não me lembro o nome dele) que se parece com o Drauzio Varella. Adorei todas as pregações. Esse acampamento foi uma grande benção na minha vida. Apesar do nervosismo que passei no começo (o pneu esquerdo traseiro do ônibus furou e ficamos muito tempo parados na estrada), eu adorei ir para o ENA. Conheci muitos missionários. Eu conheci um pastor, o pastor Garcia, que no começo eu tive a impressão de que ele não gostou de mim e foi áspero comigo, mas isso foi apenas uma impressão errada que tive dele. Depois eu conheci o pastor Garcia melhor, e descobri que ele é muito legal e gente boa (assim, como as suas filhas, Rachel e Sara). Eu fiquei impressionado com o cuidado da Léia comigo (uma grande amiga, e mãe de meu grande amigo, Arthur, o Zé Gotinha). A Léia foi muito atenciosa comigo, e cuidou muito bem de mim. Eu amo a família Prado. A Léia, o Prado, a Lídia, e o Arthur, são muito especiais para mim. Eu os amo muito, de verdade. Também passei esse tempo maravilhoso ao lado dos meus queridos primos, Nayra e Klayton, que são umas bênçãos na minha vida. Eu amo a Nayra e o Klayton do fundo do meu coração. Conheci também um casal muito abençoado, a Rute e o “Senhor Wilson”, que abençoaram a minha vida. Adorei conhecê-los. Conheci um garoto chamado Gabriel, que assim como eu, adora animes e mangás. Conheci o Silvano, um africano muito legal e gente boa. Eu aprendi a amar cada uma dessas pessoas.

Eu participei de uma passeata contra a pedofilia na cidade de Pitangui. Eu nunca tinha participado de uma passeata antes. Além de conhecer a base de Pitangui, também conheci a base da JOCUM de São Paulo. Para mim, foi um tempo maravilhoso o que passei no ENA. Realmente, valeu à pena eu ter ido. 

Voltamos para São Paulo no dia 28 de julho de 2013, e dessa vez eu voltei ao lado do meu grande e querido amigo Lucas. O Lucas estava sem dinheiro, e eu paguei as coisas para ele, porque eu gosto de abençoar as pessoas que amo. Eu sou amigo do Lucas há quase dois anos, isto é, o conheço há pouco tempo; mas o amo como se ele fosse meu amigo de infância. Eu adicionei a Winie, a Beatriz, a Larissa, a Sara, a Rachel, o Gabriel e o Silvano no Facebook. Espero que mantendo o contato, eu possa ter uma amizade bonita com todos eles. Para mim, foi uma grande honra conhecer cada um deles. Essas pessoas são verdadeiras bênçãos de Deus. Eu glorifico a Deus, por conhecê-los. Adorei ir para o ENA.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

VIDA CRISTÃ


“Tome cuidado com a sua vida, talvez ela seja o único Evangelho que as pessoas leiam”. (Francisco de Assis)

A dor que sinto em meu coração é tão grande que eu não consigo nem descrevê-la, porque eu estou sendo punido por fazer o que é certo. A minha integridade me trouxe prejuízos, mas continuarei fazendo o que eu acredito ser certo. Pretendo me isolar do pecado. Estou assistindo cada vez menos televisão, assim, tenho evitado alimentar a minha carne. Eu evito ver coisas indevidas na Internet, pois tenho usado esse recurso somente para o bem. Eu uso o meu talento de escrever e a Internet para poder divulgar as minhas idéias e os meus ideais. Neste texto, pretendo contar como deve ser a vida do cristão, ou seja, a vida que eu quero viver.

O maior desejo do meu coração (além de ter uma companheira) é pregar o Evangelho com as minhas atitudes, porque, talvez, a minha vida seja o único Evangelho que as pessoas conheçam. Eu tenho o dever de representar bem Jesus Cristo, pois sou seguidor d’Ele. Preciso ser mais parecido com Jesus, para assim impactar as vidas das pessoas ao meu redor. Quero mudar as vidas dos seres humanos. Talvez, eu não possa mudar o mundo, mas posso mudar o mundo de uma pessoa. Se eu tiver fé e esperança, poderei abençoar as vidas dos meus semelhantes.

Devo amar as pessoas como a mim mesmo (no meu caso isso é muito difícil, porque eu não me amo). Devo amar a Deus acima de todas as coisas (isso é o principal). Devo me submeter às autoridades governamentais e orar em favor dos governantes. Devo pagar todos os meus impostos e ser honesto sempre. Devo me manter puro até o casamento (espero conseguir realizar essa proeza). Devo fazer mais pelos outros do que por mim mesmo. Tudo isso eu aprendi com a Bíblia, a Palavra de Deus.

“Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação, e por fim a vida eterna; porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor”. (Romanos 6:22-23)

O maior inimigo do cristão não é o Diabo, mas é o seu ego. O maior inimigo do cristão é ele mesmo. O pecado enraizado no coração do homem o corrompe e o afasta de Deus. O sangue de Jesus é a cura para o pecado; e a única maneira de aproximar o homem novamente de Deus. O pecado sempre aparece com uma boa aparência, mas o seu final é de morte. O pecado começa doce, mas depois se torna amargo. As suas conseqüências são terríveis. O pecado faz o homem se afastar de Deus, mas Cristo veio trazer o homem de volta para Deus. Os cristãos verdadeiros, que verdadeiramente aceitaram Jesus Cristo em seus corações como o seu único e suficiente Salvador, não são mais escravos do pecado, isto é, podem se libertar da opressão de Satanás, e escapar da morte eterna. O Inferno foi criado para Lúcifer e seus demônios, e não para os seres humanos. Se os cristãos cumprirem os mandamentos de Deus, que se resumem em dois mandamentos principais, amar a Deus acima de todas as coisas, e amar o próximo como a si mesmo, eles serão verdadeiros servos de Deus.

Tenho orado constantemente por várias pessoas (por algumas em especial) na esperança de que Deus realize milagres nas vidas delas. Uma vez me contaram que nós, cristãos, temos o poder de mudar o destino das pessoas. Eu quero acreditar nisso. Conheço muitos crentes (principalmente, garotas) que foram criados na Igreja, mas que acabaram se afastando do Caminho de Deus. Muitos desses evangélicos vivem na Igreja, mas com o coração no mundo. Eles amam as coisas do mundo, ou seja, esses “cristãos” amam o pecado. Eu sofro muito com isso. Eu me importo com a Igreja de Cristo, isto é, me importo com os meus irmãos em Cristo. Tenho tomado antidepressivos por causa do meu sofrimento, porque a minha dor é muito grande. Não consigo ser indiferente a situação lastimável das pessoas que amo.

“Se você crê somente no que gosta do Evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê, mas, sim, em si mesmo”. (Agostinho de Hipona).

Os evangélicos precisam aprender a aceitar tudo o que a Palavra de Deus ensina, e não enxergarem na Bíblia somente o que lhes interessam. É errado os cristãos acreditarem apenas no que lhes convêm. O Evangelho é amor e perdão, mas também é atitude diante do mal, porque a omissão perante as coisas erradas também é pecado. Omitir-se diante do mal é hediondo. Portanto, nós, cristãos, devemos amar e lutar pelo que é certo. 

quinta-feira, 18 de julho de 2013

O LIVRO DE DEUS



Estou passando pelo momento mais sombrio e macabro da minha vida. Há um ano e meio tenho sofrido com uma chaga que surgiu no meu coração que não quer sarar. Eu poderia escrever me lamentando sobre a minha situação, mas prefiro usar o meu talento de escrever para glorificar a Deus. Se não fosse pela Bíblia, pela minha igreja, e pelas minhas orações, com certeza eu já teria me suicidado há muito tempo. Não sei o porquê de minha existência e para que eu nasci, mas farei o que puder para fazer a vontade de Deus enquanto eu viver.

Eu vi o filme “O Livro de Eli” cinco vezes ao todo em minha existência, e adoro esse filme. Esse filme me inspirou a escrever este artigo, porque desejo mostrar a importância da Bíblia na minha vida e nas vidas de incontáveis pessoas.

Neste texto, eu pretendo mostrar a importância da Palavra de Deus para a história humana e para a história da minha vida. Eu sou apaixonado pela Bíblia desde que eu era adolescente (o período em que eu fui mais cristão em toda a minha existência). Deus, o Altíssimo, falou comigo diversas vezes através da sua Palavra. Eu encontrei muitas respostas na Bíblia, mas ainda tenho outras perguntas que não foram respondidas. Começarei contando desde o início quando a Bíblia que conhecemos hoje surgiu.

Em 325, no Concílio de Nicéia, cerca de 318 bispos que vieram de várias regiões se juntaram para reunirem os livros da Bíblia. No Concílio de Nicéia, os livros do Novo Testamento foram reunidos. Esses bispos, orientados por Deus, identificaram os livros inspirados pelo Espírito Santo, os livros canônicos, e desprezaram os livros apócrifos, os que não eram verdadeiros, até alguns deles eram histórias verídicas, mas não inspiradas pelo Espírito Santo. A Bíblia da Igreja Primitiva era o Antigo Testamento (os livros do Antigo Testamento haviam sido reunidos pelos judeus há muito tempo). Parte do Antigo Testamento era em aramaico e outra parte em hebraico. A Septuaginta (a versão grega do Antigo Testamento) circulava entre os cristãos primitivos também. O Novo Testamento era em grego. Jerônimo de Strídon traduziu a Bíblia inteira para o latim, facilitando o acesso do povo de sua época a Palavra de Deus.

O grande reformador, Martinho Lutero, traduziu a Bíblia para o alemão. William Tyndale e John Wycliffe traduziram a Bíblia para o inglês. João Ferreira de Almeida traduziu a Bíblia para o português. Essas são as versões mais conhecidas.  

Entre os séculos IX e X, os judeus “massoretas” dividiram o Antigo Testamento em versículos. Os massoretas eram estudiosos das Escrituras Sagradas que se dedicaram a dividir a sua Bíblia em versículos. Os massoretas tinham hábitos ascéticos e monásticos; e eles foram importantíssimos para facilitar a compreensão das Sagradas Escrituras.

Influenciado pelo trabalho dos massoretas no Antigo Testamento, um impressor francês, que morava em Gênova, na Itália, chamado Robert d’Etiénne, concluiu a divisão do Novo Testamento em versículos no ano de 1551.

Quem dividiu a Bíblia em capítulos foi o teólogo inglês, Stephen Langhton, bispo de Canterbury, na Inglaterra, e professor da Universidade de Paris, na França, entre 1234 e 1242. Stephen Langhton contribuiu muito para o Cristianismo fazendo isso.

A primeira Bíblia a ser publicada incluindo integralmente todos os capítulos e versículos divididos foi a Bíblia de Genebra, na Suíça. Os primeiros editores da Bíblia de Genebra chegaram à conclusão de que a divisão da Bíblia em capítulos e versículos facilitava muito as pessoas na memorização, localização, e comparação de assuntos bíblicos. A Bíblia é dividida em 31.105 versículos e 1.189 capítulos.

Durante séculos, a Igreja Católica usou a Palavra de Deus para explorar e oprimir o povo. As pessoas leigas não tinham acesso as Escrituras Sagradas, porque a maioria não sabia latim, e muito menos ler. A Bíblia é uma arma extremamente poderosa apontada para os corações dos fracos e desesperados, quando usada pelas pessoas erradas para o mal. Satanás, o Diabo, usou a Palavra de Deus para tentar Jesus no deserto, e ainda a usa para disseminar inúmeras heresias, usando versículos bíblicos fora de contexto e textos isolados. A Bíblia pode ser usada tanto para o bem quanto para o mal. A Palavra de Deus é muito poderosa, e deve ser usada para promover a justiça. Deus se comunica com as pessoas através da Bíblia, pois a Palavra de Deus pode mudar vidas e transformar o mundo. Graças a Deus que existe a Bíblia, a Palavra de Deus.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

GRANDE VÁCUO


“Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro em mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu”. (Salmo 42:11)

Tenho conversado contigo todos os dias, não é mesmo, Deus de Israel? Tenho aberto o meu coração para ti todas as vezes que oro. Muitas aflições têm me afligido, mas ainda confio que o Senhor me ajudará. A dor no meu pobre e tosco coração é tão aguda, que acho que não irei suportar por muito tempo. Sinto um vazio imenso no meu coração, pois sempre acreditei que os cristãos tinham o vazio da alma preenchido, mas o vazio dentro de mim permanece. Tenha piedade de mim, Senhor dos Exércitos!

Lembro-me quando eu ia à sala de maquinas, no último andar do prédio onde eu morava, quando criança e adolescente, para conversar contigo, porque eu sentia a sua presença lá. Eu passava horas conversando com o Senhor, Deus Vivo. Quando me mudei para o bairro Vila Rubi, eu costumava ir a Represa Guarapiranga orar, porque nesse lugar me sentia mais próximo de ti. Como sinto falta desses lugares onde eu conversava contigo! Como sinto falta do meu relacionamento com o Senhor, Altíssimo!

A minha adolescência foi o auge do meu Cristianismo, pois naquela época eu me considerava um cristão de verdade. O Senhor conhece cada um dos meus pecados, e o Senhor sabe que os meus pecados são muitos. Eu sou um porco imundo, e um cão nojento, por causa dos meus atos pecaminosos. Como eu gostaria de parar de cair sempre nos mesmos pecados e poder agradar o seu coração! Quem me dera fazer a sua vontade e ser seu amigo! Eu só te conheço de ouvir falar, Deus, mas gostaria muito de te conhecer de contigo andar. Quero muito poder te ver com os meus olhos, e contemplá-lo. Perdoe-me pelos meus inúmeros pecados! Perdão pela minha promiscuidade! Perdoa-me pela minha depravação! Por favor, me perdoe por ofender a sua santidade com os meus pecados! Perdão!

Uma coisa que me entristece muito, Deus, é que as pessoas não me valorizam (elas falam que é para eu me valorizar, mas elas mesmas não fazem isso). Uma das poucas coisas que sei fazer na vida é escrever, mas as pessoas desprezam as coisas que eu escrevo. O que me dói muito no coração é o fato dos evangélicos preferirem ler livros sobre Satanismo ou sobre depravação sexual, do que ler os textos com embasamento bíblico que eu escrevo. As pessoas dizem que eu não tenho assunto, mas tenho variado os meus assuntos. Os cristãos preferem ler os livros e textos dos meus desafetos, do que ler as coisas que eu escrevo. Isso machuca muito o meu coração. Eu escrevo sobre a sua soberania, e sobre a Salvação de Jesus, mas, infelizmente, os crentes preferem ler sobre assuntos demoníacos ou sexuais. Chegará o dia, que eu pararei de escrever. Desculpe-me por desprezar assim o talento que o Senhor me deu, mas cansei de me dedicar em escrever para as pessoas simplesmente não lerem, e as poucas que lêem ainda criticarem o que escrevo.

Descobri que eu não posso ter opinião, porque se eu gosto da polícia, eu sou fascista ou nazista. Se eu gosto de artes marciais, eu sou satanista, ou na melhor das hipóteses eu sou budista. Se eu gosto de armas, eu sou um bandido ou um terrorista. Se eu gosto de animes e de videogames, eu sou um endemoninhado. É assim que as pessoas me rotulam, por eu simplesmente ter opinião e personalidade. Sinceramente, eu não agüento mais tanta intolerância e imbecilidade, Deus.

O que mais tem me angustiado ultimamente é a falta de uma companheira. Eu tenho vinte e nove anos, Deus, e nunca namorei. Isso acaba comigo. Gostaria muito de conhecer uma garota que fosse bela aos meus olhos e que agradasse o seu coração. Quem me dera preencher esse grande vácuo dentro de mim.

Tenho orado por muitas pessoas na esperança de que o Senhor as salve, as abençoe, e as proteja de todo o mal. As pessoas por quem eu oro simplesmente ignoram a minha existência (como ignoram a sua existência também, apesar de conhecerem a Verdade). Por favor, Deus, converta essas pessoas, abra os olhos delas para que elas possam enxergar a Verdade novamente. Por favor, Deus, liberta essas pessoas do pecado. Eu imploro para que o Senhor derrame a sua misericórdia sobre as vidas delas, porque elas são muito importantes para mim. Conto com a sua compreensão, e espero que o Senhor atenda o meu clamor. Amém.

terça-feira, 9 de julho de 2013

A HERANÇA DA REFORMA PROTESTANTE


Em meu texto anterior, eu escrevi sobre a história da Reforma Protestante, mas como eu não estava com muita vontade de escrever e nem teria tempo para corrigir um artigo maior, acabei deixando de relatar algumas coisas importantes. Pretendo, neste texto, contar sobre a herança que a Reforma Protestante deixou para nós, evangélicos. Infelizmente, quase todos os crentes somente conhecem falsos profetas e mercadores da fé, pois eles quase nada sabem sobre os heróis da fé do passado.

No dia 31 de outubro de 1517, o monge agostiniano, Martinho Lutero, afixou as suas 95 Teses na porta da catedral de Wittenberg, criticando diversos preceitos errados do Catolicismo. Assim, se iniciou a Reforma Protestante oficialmente (desde a Idade Média, existiam homens que pretendiam reformar a Igreja Cristã). Lutero era um homem que valorizava muito a educação, pois ele incentivava os cristãos estudarem tudo o que pudessem (principalmente, a Bíblia). Esse grande reformador deixou o legado do livre acesso as Escrituras e o seu incondicional apoio aos estudos, porque ele acreditava que todos os homens têm direito a educação. Martinho Lutero abriu o caminho para que as pessoas tivessem acesso as Escrituras nas suas línguas, para que elas próprias tivessem um relacionamento com Deus.

Ulrico Zuínglio deu início às igrejas reformadas, pois ele, assim, como Lutero e Calvino, também acreditava na Predestinação, ou seja, que a Salvação é somente pela Graça, e não importa o que o homem faça ou deixe de fazer, isso não lhe concede a Salvação, porque apenas uma ação direta do Espírito Santo pode salvar o ser humano.

João Calvino foi o reformador que mais pregou sobre a Predestinação, isto é, sobre a soberania de Deus na Salvação dos cristãos, tanto, que as pessoas que acreditam na Predestinação passaram a ser conhecidas como calvinistas. Não irei debater aqui se o que está certo é o livre-arbítrio ou a Predestinação, porque eu mesmo considero que as duas teorias têm as suas bases bíblicas, mas afirmo que considero o Calvinismo mais bíblico e coerente do que o Arminianismo. Não consigo acreditar que a Salvação é pelas obras, como a maioria dos arminianos acredita. O fato de eu cair em pecado não invalida a minha Salvação, até porque acreditar que por causa de um deslize meu eu perco a minha Salvação é literalmente desprezar o sacrifício de Jesus. Os evangélicos precisam entender que Jesus morreu pelos pecadores e não pelos santos. Portanto, foi, por isso, que Cristo sofreu e morreu na cruz, para que nós, pecadores, fossemos salvos. Nisso concordo plenamente com os reformadores (especialmente, com João Calvino).

Os anabatistas também deixaram uma herança muito importante da Reforma, que é o batismo de adultos. Não irei debater aqui se o batismo tem que ser por imersão ou por aspersão, mas considero importante que as pessoas sejam batizadas tendo consciência do que estão fazendo. Eu também acredito que esse é o verdadeiro batismo (com todo o respeito aos cristãos reformados que batizam crianças, pois respeito a sua posição).

John Knox foi um reformador escocês que liderou o movimento presbiteriano revolucionando a Escócia. A origem da Igreja Presbiteriana é calvinista (mesmo com os cristãos presbiterianos arminianos e pentecostais desprezando isso). Portanto, a herança deixada por John Knox é praticamente a mesma deixada pelos demais reformadores, Martinho Lutero, Ulrico Zuínglio, e João Calvino, ou seja, a herança é a teologia reformada, a Predestinação. Quero deixar bem claro, que eu respeito os meus irmãos em Cristo que acreditam no livre-arbítrio, até porque muitos homens de Deus que acreditavam nisso foram muito importantes para a história da Igreja Cristã também. Mas, tenho que ser criterioso em relação à herança que a Reforma nos deixou. Reconheço que outros movimentos não calvinistas também são importantes.

Tem também a igreja fundada pelo rei Henrique VIII, a Igreja Anglicana, mas para ser bem sincero, não vejo grande herança vinda dessa igreja. Pelo que entendi da história, os motivos do rei Henrique VIII foram muito mais políticos do que religiosos para poder fundar a Igreja Anglicana, portanto, a origem dessa igreja não foi teológica, mas, sim, política. Esse rei se casou com várias mulheres e mandou matar os seus desafetos por motivos mesquinhos. A fundação da Igreja Anglicana foi pelos motivos meramente pessoais e políticos do rei Henrique VIII. Por isso, não vejo grande herança vinda dessa igreja (talvez, hoje, a Igreja Anglicana seja uma igreja séria e compromissada com Deus, mas na época da Reforma, essa igreja foi apenas um estratagema político do rei da Inglaterra).

A herança mais linda para mim que a Reforma Protestante nos deixou foi à herança puritana, isto é, o Puritanismo. Muitas pessoas que não sabem nada sobre os puritanos têm uma visão distorcida sobre eles e ainda utilizam o nome puritano como termo pejorativo. Os puritanos cometeram erros sim, assim, como os anabatistas, os luteranos, os huguenotes, os presbiterianos, e outros cometeram os seus erros também. As pessoas são falhas, porque são pecadoras. Até os homens mais santos e mais próximos de Deus também pecam. Por isso, Jesus se sacrificou na cruz por nós.

Os puritanos surgiram no reinado da rainha Elizabete I, na Inglaterra. No reinado anterior, Maria Tudor, conhecida como Maria, a Sanguinária, perseguiu muitos cristãos condenando vários deles a morrerem queimados na fogueira. Quando os puritanos surgiram, eles queriam criar uma Igreja Protestante pura, e não problemática e corrupta como a Igreja Católica e a Igreja Anglicana da época. Os puritanos queriam revolucionar a Igreja Cristã e a nação. Na Revolução Puritana, conhecida também como Revolução Inglesa, os puritanos liderados por Oliver Cromwell, destituíram o rei Carlos I do poder e o executaram. Os puritanos revolucionaram a sua nação. Devido as intensas perseguições que os puritanos sofreram durante a História, muitos deles fugiram para a América do Norte, e colonizaram os Estados Unidos.

Alguns puritanos, como, por exemplo, John Owen, William Perkins, William Ames, deram importante contribuição para a ortodoxia reformada. Homens como Richard Rogers, John Dod, Richard Sibbes, Richard Baxter, Joseph Alleine, e John Flavel, foram homens importantes para o Puritanismo também.

Existiram grandes pregadores puritanos, como Charles Spurgeon (conhecido como o Príncipe dos Pregadores e o Último dos Puritanos), Charles Finney, Dwight Lyman Moody, e Jonathan Edwards, que ganharam inúmeras almas para Cristo. Tem um escritor que admiro muito (porque vi o filme sobre a história do seu livro) que é John Bunyan, que é o autor do livro “O Peregrino”. Esse livro conta sobre a vida cristã como peregrinação e Guerra Espiritual.

Os puritanos pregavam a santidade (muitos falsos calvinistas pregam que porque os cristãos são predestinados, eles não precisam buscar a santidade, porque já são salvos). Os puritanos buscavam a santidade, porque eles queriam agradar o coração de Deus. Os verdadeiros predestinados não sentem paz no pecado, porque o Espírito Santo os incomoda para que eles busquem a santidade. Portanto, os verdadeiros calvinistas têm a certeza da Salvação, mas eles buscam a Deus por o amarem de verdade, e não por medo do Inferno. O incentivo do cristão para buscar a Deus tem que ser o amor, e não o medo. Os cristãos têm que buscarem a Deus por o amarem, e não por temerem o Fogo Eterno.

Escrevi sobre os temas que considero mais importantes e interessantes (pelo menos, para mim). Infelizmente, a maioria dos evangélicos não se interessa pela sua própria história, e perde tempo pesquisando e lendo coisas sem importância ou até mesmo demoníacas. Fico muito triste em saber que as pessoas (principalmente, os cristãos) não se interessam em estudar sobre a Reforma, e nem sobre a Bíblia. Encerro aqui.

sábado, 6 de julho de 2013

A HISTÓRIA DA REFORMA PROTESTANTE


A parte da história do Cristianismo que eu mais gosto é a Reforma Protestante, porque admiro muito os cristãos guerreiros que pelejaram tanto com armas quanto com palavras para restituir a identidade da Igreja de Cristo. Admiro muito homens como Martinho Lutero, João Calvino, e Ulrico Zuínglio. Até homens antes deles, como John Hus e John Wycliffe também são alvos da minha admiração. Neste texto, contarei bem resumidamente a história da Reforma Protestante, portanto, escreverei somente as partes que considero mais importantes e que me interessam. Pretendo contar sobre os heróis da fé que foram perseguidos, torturados, e até mortos por amarem a Deus acima de todas as coisas. Os cristãos do passado são alvos da minha admiração; e são bons exemplos a serem seguidos.

Durante a Idade Média, surgiram alguns grupos dissidentes no sul da França como os cátaros, conhecidos também como albigenses, que surgiram no século 11, e era um grupo de cristãos que foi perseguido e aniquilado por uma cruzada. Outro movimento dissidente foi liderado por Pedro Valdo ou Valdes, de Lião, cujos seguidores ficaram conhecidos como “os homens pobres de Lião”. Eles tinham um estilo de vida comunitário, e negavam algumas heresias pregadas pela Igreja Católica. Esses cristãos foram muito perseguidos, se refugiando em vales remotos dos alpes italianos. Mais tarde, eles abraçaram a Reforma Protestante, sendo uma das poucas igrejas protestantes anteriores a Reforma.

A Idade Média foi um período em que as pessoas eram inseguras e angustiadas, porque havia baixa expectativa de vida, devido às guerras sangrentas (como a Guerra dos Cem Anos) e as doenças (como a peste negra) que dizimavam a população. Havia muitas convulsões políticas, sociais, e religiosas nessa época, como revoltas camponesas, o declínio do Feudalismo, o surgimento do Capitalismo, fomes periódicas, doenças, e abusos cometidos pelo Clero. O sentimento dominante era de insegurança, ansiedade, melancolia, e pessimismo.

Nos séculos 14 e 15, surgiram movimentos opositores aos ensinamentos da Igreja Católica, e um desses movimentos era encabeçado por John Wycliffe, que era um sacerdote e professor da Universidade de Oxford, na Inglaterra. Wycliffe criticou as irregularidades do Clero e as heresias do Catolicismo. Os seus seguidores ficaram conhecidos como os lolardos, que acreditavam na Bíblia como norma de fé, e que todos devem lê-la e interpretá-la.

John Hus era um sacerdote e professor da Universidade de Praga, na Boêmia, e foi influenciado pelos ensinamentos de John Wycliffe. John Hus também criticava os falsos ensinamentos da Igreja Católica, e por causa disso acabou sendo queimado na fogueira no dia 6 de julho de 1415 e morreu louvando a Deus. Os seus seguidores eram conhecidos como “os Irmãos Boêmios”, que foram os precursores dos Irmãos Morávios.

Nos século 16, havia um monge agostiniano, Martinho Lutero, que acreditava que a Salvação é somente pela Graça, e que criticava duramente as vendas de indulgências, de cargos eclesiásticos, e de relíquias. No dia 31 de outubro de 1517 (um pouco mais de um século depois do martírio de John Hus), Martinho Lutero pregou as suas 95 Teses na porta da catedral de Wittenberg, criticando diversos erros do Catolicismo. Lutero criticou violentamente as heresias pregadas pelo Catolicismo, e quebrou o pau com João Tetzel, por causa das vendas de indulgências. Esse grande reformador foi perseguido e foi salvo por seu amigo Frederico, o Sábio, da Saxônia. Martinho Lutero traduziu a Bíblia para o alemão, facilitando, assim, que muitas pessoas conhecessem as Escrituras. Lutero foi levantado por Deus para mudar a história da Igreja Cristã.

Ulrico Zuínglio era capelão do Exército e reformou a Igreja de Zurique, na Suíça. Esse sacerdote criticava também as heresias e os abusos cometidos pela Igreja Católica. Esse grande homem de Deus, com a sua teologia, deu origem às igrejas reformadas. Houve guerras entre católicos e protestantes, e em uma dessas guerras, Ulrico Zuínglio, morreu em combate lutando pelo que acreditava.

Houve um grupo de religiosos conhecidos como “os radicais” que foram os anabatistas. Esses cristãos foram os seguidores de Jesus que de fato separaram a Igreja do Estado. Os anabatistas (apesar de serem realmente cristãos) tinham uma coisa em comum com as Testemunhas de Jeová atuais, pois eles condenavam o serviço militar e a política também. Não irei debater aqui se eles estavam certos ou errados, até porque essa era a opinião deles, e os anabatistas (os atuais menonitas), não deixam de serem meus irmãos em Cristo por terem uma ideologia diferente da minha. Uma coisa que admiro muito nos anabatistas (como também em outros grupos religiosos parecidos) é que eles tinham um estilo de vida comunitário, ou seja, eles dividiam tudo o que tinham entre eles (o Comunismo tentou fazer isso, e fracassou). A Igreja Primitiva, os anabatistas, e outros grupos religiosos viveram a verdadeira igualdade social. Os anabatistas eram conhecidos por esse nome, porque eles rebatizavam as pessoas. Os anabatistas acreditavam que para as pessoas serem batizadas elas têm que ter consciência do que estão fazendo; para eles, esse era o verdadeiro batismo. Apesar de eu discordar teologicamente de alguns ensinamentos dos anabatistas, reconheço que eles foram muito importantes para a história da Igreja de Cristo.

João Calvino foi um grande teólogo francês, autor de algumas obras muito importantes para o Protestantismo, como o seu livro “Instituição da Religião Cristã”. Esse grande reformador atuou politicamente em Genebra, e cometeu um erro terrível, que foi condenar a morte o médico Miguel Serveto, que foi executado morrendo queimado na fogueira por crime de heresia. Martinho Lutero também cometeu o erro de ter incentivado os príncipes alemães massacrarem os anabatistas na Guerra dos Camponeses. Tanto Martinho Lutero, quanto João Calvino, e Ulrico Zuínglio, não gostavam muito dos anabatistas, devido às divergências teológicas que eles tinham. João Calvino foi um reformador muito importante na história da Reforma Protestante.

Os seguidores franceses de Calvino, os huguenotes, eram grandes guerreiros que pelejavam contra os católicos (milhares deles foram massacrados no dia de São Bartolomeu). Os seguidores de Lutero, os luteranos, foram grandes guerreiros também que combatiam os católicos. Durante a época da Reforma Protestante, houve muitas guerras entre católicos e protestantes, como a Guerra dos Trinta Anos.

Houve um movimento conhecido como “os puritanos” que surgiram na Inglaterra, durante o reinado da rainha Elizabete I. Durante o reinado da rainha anterior, a Maria Tudor, conhecida como Maria, a Sanguinária, muitos protestantes foram queimados nas fogueiras, porque se recusaram a negar a sua fé em Cristo Jesus. Quando os puritanos surgiram, eles queriam criar uma Igreja Protestante pura. Os puritanos foram muito importantes para a história da Igreja Cristã (especialmente para o Calvinismo). Devido às fortes perseguições que eles sofreram, muitos deles fugiram para a América do Norte, e muitos outros ficaram para lutar por sua fé (tanto com armas quanto com palavras). Os puritanos foram grandes guerreiros. Na Revolução Inglesa, conhecida também como Revolução Puritana, os puritanos liderados por Oliver Cromwell, destituíram o rei do poder e o executaram. O Puritanismo impactou a Igreja de Cristo de tal maneira que inúmeras vidas foram transformadas pelo poder do Evangelho. Muitas obras literárias fantásticas foram escritas pelos puritanos. Os puritanos deixaram uma linda herança.

Eu poderia escrever sobre a Reforma em outros países (como as igrejas Anglicana e Presbiteriana), mas decidi escrever apenas sobre isso mesmo. Espero que gostem.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

O MEU RELACIONAMENTO COM DEUS


“Pregue o Evangelho em todo o tempo. Se necessário, use palavras”. (Francisco de Assis)

Desde criança, eu costumo conversar com Deus. Durante a minha adolescência vivi o auge do meu Cristianismo e santidade. Justo na época em que as pessoas mais pecam e se afastam de Deus, foi à época em que eu estive mais próximo de Deus. Hoje, sou mais maduro e tenho muito mais conhecimento do que tinha naquele tempo. Atualmente, eu escrevo muito melhor do que escrevia durante a minha mocidade, mas sinto saudades da minha relação com Deus daquele tempo. Apesar de eu ter complexo de inferioridade, reconheço as minhas virtudes e valores. Com certeza, sou diferente da maioria das pessoas (principalmente, dos outros jovens). Eu sou honesto e íntegro. Apesar do meu conhecimento bíblico e histórico, eu também, muitas vezes, sou ingênuo e inocente. Infelizmente, as garotas não reconhecem essas virtudes em mim. Ultimamente, estou mais preocupado com o meu relacionamento com Deus, do que com o meu relacionamento com as mulheres. A cada dia que passa, tenho me tornado mais machista (devido à depravação e ao apelo sensual de certas garotas), mas reconheço que existem algumas mulheres que se dão ao respeito e que valem à pena. Mas, para ser bem sincero, estou me importando mais com Deus do que com o sexo oposto.

O maior desejo do meu coração atualmente é que Deus me use para os seus propósitos grandiosos. Eu quero ser um instrumento de benção nas mãos de Deus. A minha esperança é que da mesma forma que Deus abençoou a casa de Potifar por amor a José, Deus abençoe e salve as pessoas ao meu redor por amor a mim. Eu desejo de verdade ser luz nas trevas e o sal do mundo. Quero fazer a diferença de alguma maneira. Já quebrei a cara muitas vezes por fazer o que é correto, mas mesmo assim, eu não me arrependo de ter feito o que é certo. Eu estou disposto a ser punido por fazer o que é agradável aos olhos de Deus, porque o meu desejo é fazer a vontade de Deus.

Até hoje me pergunto o porquê do meu nascimento e da minha existência, mas estou começando a acreditar que, talvez, Deus não tenha errado ao me criar. Talvez, eu não seja um erro. Tenho orado por muitas pessoas durante as madrugadas. Sinceramente, não sei se Deus salvará essas pessoas, mas uma vez, ouvi uma pregação que dizia que nós, cristãos, temos o poder em nossas mãos de mudar o destino e as vidas das pessoas. Eu tenho fé, de que com o meu clamor, Deus possa ter misericórdia das pessoas por quem tanto oro. Não quero ficar apenas orando, pois pretendo fazer algo mais pelo mundo. Tenho pensado seriamente em trabalhar, para com o meu dinheiro, ajudar alguns missionários que conheço, e se eu não conseguir um emprego, pretendo fazer algum trabalho voluntário para ajudar os meus semelhantes. Cansei de ser apenas um ativista de sofá. Quero impactar as vidas das pessoas com as minhas atitudes de amor e compaixão. Quero viver o Evangelho. Quero evangelizar com as minhas atitudes, e não apenas com palavras. Desejo ardentemente ser mais parecido com Jesus. Pretendo algum dia conseguir me tornar a imagem e a semelhança de Cristo. Quero ser um verdadeiro servo de Deus. Almejo ser um cristão de verdade.

Nas minhas orações, eu abro o meu coração para Deus, porque Ele é a pessoa, ou, melhor dizendo, são as três pessoas em que eu mais confio. Tenho conversado bastante com Jesus Cristo (geralmente, eu converso com o Deus Pai). Tenho conversado às vezes também com o Espírito Santo. Eu acredito na Santíssima Trindade, e creio que as três pessoas de Deus me ouvem e escutam as minhas orações (apesar de muitas vezes eu duvidar disso). Descobri que o Cristianismo não é apenas mais uma religião, mas é o relacionamento direto com Deus. Deus quer se relacionar comigo, e com você também.