terça-feira, 28 de maio de 2013

A IGREJA PERSEGUIDA


“Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas. E acautelai-vos dos homens; porque vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas; por minha causa sereis levados à presença de governadores e de reis, para lhes servir de testemunho, a eles e aos gentios. E, quando vos entregarem, não cuideis em como, ou o que haveis de falar, porque naquela hora vos será concedido o que haveis de dizer; visto que não sois vós que falais, mas o Espírito de vosso Pai é quem fala em vós. Um irmão entregará à morte outro irmão, e o pai ao filho; filhos haverá que se levantarão contra os progenitores, e os matarão. Sereis odiados de todos por causa do meu nome; aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo. Quando, porém, vos perseguirem numa cidade, fugi para outra; porque em verdade vos digo que não acabareis de percorrer as cidades de Israel, até que venha o Filho do homem”. (Mateus 10:16-23)

Desde a época do Cristianismo Primitivo, os seguidores de Jesus são perseguidos por causa do Evangelho. A Igreja Primitiva foi muito perseguida pelo Império Romano, pois os primeiros cristãos sofreram horríveis torturas e foram massacrados por amarem a Deus acima de todas as coisas. Os cristãos primitivos eram jogados as feras, que os devoravam vivos; eles também eram crucificados e queimados ainda vivos; e os que tinham cidadania romana eram decapitados. Muitos cristãos, que eram militares e políticos, foram expulsos de seus cargos e martirizados, porque se recusavam a prestar culto aos imperadores e a sacrificarem aos deuses (os agentes do Estado eram obrigados a cultuarem os imperadores e a praticarem sacrifícios em homenagem aos deuses pagãos). Os primeiros cristãos eram odiados e perseguidos pelo Império Romano, porque os romanos os enxergavam como uma grande ameaça ao Estado, quando na verdade, os cristãos primitivos somente queriam buscar a Deus em paz.

Na Idade Média, a Igreja Católica dominava o Ocidente, e perseguia a todos que questionavam o seu domínio. Inúmeras pessoas acusadas de serem bruxas ou hereges foram queimadas vivas nas fogueiras da Inquisição. As bruxas e os hereges eram torturados e assassinados sem piedade, porque questionavam os dogmas do Catolicismo. As Cruzadas dizimaram incontáveis vidas inocentes em Nome de Deus (sendo que Deus nunca apoiou essa barbárie). O Altíssimo nunca apoiou a Inquisição e nem as Cruzadas, portanto, Deus não tem culpa de nada em relação às cagadas que os cristãos medievais fizeram. Muitos dos “hereges” que eram perseguidos pela Igreja Católica eram verdadeiros cristãos que questionavam as bizarrices do Cristianismo daquela época.

Durante a Idade Moderna, os reformadores Martinho Lutero, João Calvino, e Ulrico Zuínglio, reformaram a Igreja Cristã, e houve muita perseguição nessa época. Os luteranos, os huguenotes, e os puritanos, empunharam armas para combaterem os católicos que os perseguiam. Os anabatistas, apesar de terem participado da Guerra dos Camponeses, preferiram adotar uma postura pacifista, e foram perseguidos sem reagir. Houve muitas guerras entre católicos e protestantes, que pelejavam bravamente um contra o outro. A Inquisição queimava os protestantes em suas fogueiras, e os cristãos reformados matavam muitos católicos nas batalhas que travavam. Foi um verdadeiro banho de sangue.

Hoje, na Idade Contemporânea, os cristãos são perseguidos em muitos países islâmicos e também nos países comunistas. Os extremistas islâmicos e os marxistas ateus perseguem os cristãos sem piedade. Nos regimes comunistas, os cristãos sofrem torturas indescritíveis e são brutalmente assassinados por causa da sua fé em Cristo. Em nações como a União Soviética, a China, e a Coreia do Norte, assim, como em outros países que adotaram o Marxismo como ideologia, os marxistas torturaram e mataram incontáveis cristãos. Hoje, ainda há muita perseguição religiosa na China e na Coreia do Norte. Em muitos países muçulmanos, os discípulos de Jesus também são severamente perseguidos, torturados, e mortos por causa do Evangelho. Quero deixar bem claro que Karl Marx e Maomé também não têm culpa das burradas que os seus seguidores fazem distorcendo os seus ensinamentos.

As cinco nações onde há mais perseguição religiosa são Coreia do Norte, Arábia Saudita, Afeganistão, Iraque, e Somália. Ainda há muita perseguição na China também. Escrevi este texto para contar sobre a Igreja Perseguida. Por favor, orem pelos nossos irmãos perseguidos.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

EM DEFESA DA POLÍCIA



Infelizmente, no meio intelectual brasileiro, os esquerdistas fazem lavagem cerebral nas pessoas para induzi-las a aceitarem a ideologia marxista. Os comunistas querem enfiar goela abaixo o Marxismo para as pessoas. As faculdades de História são antros de comunistas, pois eles doutrinam os seus alunos a aceitarem as idéias de Karl Marx. Em primeiro lugar, quero deixar bem claro que não odeio o Karl Marx ou o Che Guevara. Eu até acredito que as intenções de Karl Marx eram boas quando ele desenvolveu o Comunismo, e também creio que Che Guevara queria tornar o mundo num lugar melhor para se viver. Não é porque eu sou de direita que não irei reconhecer isso. Infelizmente, eu sofro muito preconceito na faculdade (principalmente, por parte dos professores) por eu gostar da polícia. Neste texto, pretendo defender a polícia biblicamente, historicamente, e socialmente.

“Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos. Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá. Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência. É por isso também que vocês pagam imposto, pois as autoridades estão a serviço de Deus, sempre dedicadas a esse trabalho. Dêem a cada um o que lhe é devido: se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra”. (Romanos 13:1-7)

A própria Bíblia nos mostra o que Deus pensa a respeito das autoridades, especialmente, sobre a polícia e as Forças Armadas, que são as forças de repressão ao crime. O Altíssimo reconhece a legitimidade da polícia e das Forças Armadas. Principalmente, a polícia, que combate diretamente o crime organizado. Tanto o apóstolo Paulo na Carta aos Romanos, quanto o apóstolo Pedro em sua Primeira Epístola, reconheciam a legitimidade da polícia, ou seja, eles realmente acreditavam que as forças de repressão ao crime são necessárias para manter a lei e a ordem no mundo.

Durante a História, praticamente em todos os países, os policiais foram necessários para dar certa sensação de segurança para a sociedade. Apesar da violência policial contra inocentes e da corrupção, a polícia sempre foi necessária. Quem que combate diretamente os criminosos? Por acaso não é a polícia? Os policiais são essenciais para manter a lei e a ordem na Terra. Os policiais representam o Estado na defesa dos cidadãos.

Os marxistas afirmam que a polícia não é necessária, porque ela existe exclusivamente para defender a burguesia. Esses alienados esquecem que os governos comunistas também têm as suas polícias, mas nesses países, os policiais não se dedicam a combater os bandidos, mas, sim, em perseguir os religiosos. Os policiais dos regimes comunistas perseguem, torturam, estupram, e matam cristãos apenas porque os seguidores de Jesus amam a Deus acima de todas as coisas, e não veneram e idolatram os ditadores de esquerda. Isso me lembra até os imperadores romanos que exigiam que os cristãos os adorassem como deuses. Tanto no Império Romano como nos governos comunistas, os cristãos sofreram torturas indescritíveis e foram brutalmente assassinados por se recusarem a negar a sua fé. Eu prefiro uma polícia positivista que me proteja e combata o crime, do que uma polícia marxista que me persiga por causa da minha fé.

A sociedade seria um lugar ainda pior para se viver se não existisse a polícia para manter a ordem. Os policiais são essenciais para que nós, cidadãos, possamos viver um pouco mais seguros. Por isso, eu admiro e respeito à polícia, porque para mim, muitos policiais são honestos e arriscam as suas vidas para me proteger não por dinheiro, mas por amor a profissão.

Escrevi este texto, porque senti a necessidade de defender a polícia novamente, pois não agüento mais ouvir o povo somente falar mal dos policiais. Deus, o Altíssimo, instituiu a polícia para que nós, cidadãos de bem, possamos ter mais tranqüilidade nas nossas vidas. Que Deus abençoe todas as polícias do Brasil e do mundo. Eu sou grato pela polícia me proteger.

domingo, 19 de maio de 2013

A CURA DO MAL



Eu tenho estudado bastante ultimamente, e tenho ficado horrorizado com a perversidade humana. A maldade do homem me assusta, pois não consigo compreendê-la. Não consigo ser indiferente diante do mal. Eu faço pesquisas tanto históricas quanto bíblicas para poder conhecer e compreender melhor a humanidade. Neste texto, quero desabafar sobre as coisas que afligem o meu coração, e mostrar para os meus leitores que existe uma cura para a maldade humana. Ainda há esperança para a humanidade.

Como cristão e futuro historiador eu tenho o dever de fazer a diferença. Mentiras diabólicas que muitos professores da faculdade ensinam, como, por exemplo, de que a família é um conceito burguês (sendo que a família é uma instituição de Deus), e de que o historiador tem que deixar a sua fé de lado (ou pior, é obrigado a negar a sua fé), tudo isso é mentira do Diabo. Em primeiro lugar, não é porque eu faço História que eu sou obrigado a ser ateu e marxista. Eu acredito em Deus e não concordo com a ideologia do Comunismo. Não tenho nada pessoal contra o Karl Marx ou contra o Che Guevara, mas, simplesmente, eu não sou obrigado a concordar com a sua ideologia. Não é porque eu defendo a polícia que significa que eu seja fascista ou a favor da Ditadura Militar. Eu sou de direita, e nem por isso eu sou racista ou burguês. Eu jamais apoiaria um regime execrável como a Ditadura Militar, e nem sou partidário das ideologias nazista e fascista. Os marxistas alienados precisam entender que as pessoas têm o direito de pensar diferente deles, ou seja, as pessoas têm o direito de expressarem as suas opiniões e terem a ideologia que quiserem.

Durante o decorrer da História, a humanidade sempre procurou a sua própria destruição. Os homens procuram se destruir, e ainda chamam isso de civilização.

Lembro-me dos horrores da Inquisição que em Nome de Deus praticou atrocidades inimagináveis. Inúmeras pessoas acusadas de serem bruxas ou hereges foram queimadas vivas nas fogueiras da Inquisição.

Lembro-me da conquista da América, quando os espanhóis e os portugueses massacraram incontáveis tribos indígenas. As civilizações Inca, Maia, e Asteca, foram trucidadas pelos espanhóis que violentavam as mulheres, torturavam e assassinavam os homens, e trucidavam as crianças. Tanto os portugueses como os espanhóis jogavam tribos rivais umas contra as outras, para assim, conseguirem dizimá-las por completo. Os índios tinham todo o direito de viverem em paz em suas terras, mas os europeus destruíram o seu mundo, e ainda os escravizaram.

Lembro-me também da Escravidão, onde negros e índios foram privados de sua liberdade, e eram também torturados e mortos sem piedade. Mulheres escravas eram estupradas, e famílias eram separadas, e os parentes nunca mais se viam. Os valentes quilombolas empunharam armas e pelejaram ferozmente contra os escravocratas em nome da liberdade. Incontáveis escravos usavam a Capoeira como arma para se defender das agressões dos brancos. Houve resistência contra a Escravidão, portanto, os negros e os índios não são coitadinhos e inferiores, porque eles lutaram por sua liberdade, e muitos a conquistaram.

O Nazismo com certeza foi uma das piores desgraças que aconteceu no mundo (se não foi à pior). Adolf Hitler e seus seguidores fanáticos massacraram milhões de pessoas em nome de sua ideologia idiota. Mais de seis milhões de judeus morreram nos campos de concentração, sem contar os inúmeros negros, homossexuais, e ciganos que foram mortos por esse regime execrável. Infelizmente, ainda existem os neonazistas, que propagam a ideologia doentia do Nazismo nos dias de hoje. Seitas racistas como a maldita da Ku Klux Klan, também pregam bizarrices parecidas com as que Hitler pregava, como a superioridade dos brancos e a inferioridade dos negros. O racismo é um mal que tem que ser extirpado da Terra, pois não tem cabimento uma ideologia ridícula e cretina como essa persistir ainda nos dias atuais.

Regimes ditatoriais como o Comunismo mataram mais do que o Nazismo. Os governos comunistas mataram mais do que os nazistas. Com a sua falsa ideologia de igualdade, incontáveis pessoas foram enganadas, perseguidas, torturadas, violentadas, e assassinadas, por marxistas que distorciam tudo o que Karl Marx ensinou. Por isso, eu não consigo ser marxista.

Existe uma esperança para o homem, e essa esperança é Jesus Cristo, que sofreu e morreu numa cruz para nos salvar. O sangue de Jesus é a cura do mal, e a única Salvação.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

O DEUS QUE EU CREIO



Primeiramente, quero dizer que a minha visão sobre a Igreja de Cristo tem mudado bastante, porque conheci cristãos verdadeiros que realmente vivem o Evangelho. Os crentes da minha igreja são bênçãos na minha vida. Uma semana antes do aniversário, a minha família adiantou a comemoração do dia do meu nascimento. Teve um culto de jovens na casa do meu primo Klayton, um culto que a minha amiga Lídia organizou em minha homenagem, porque geralmente, os cultos de jovens são na sexta-feira, e nesse dia, a Lídia resolveu fazer no sábado por minha causa. O culto foi uma benção, e quero começar falando a esse respeito.

Conversando com o Prado (pai da Lídia e marido da Léia), eu cheguei à conclusão de que grande parte dos evangélicos leva Deus a sério (pelo menos, os cristãos do meu convívio social). Infelizmente, existem as maçãs podres que queimam a imagem do Evangelho, mas vejo com clareza, agora, que muitos crentes têm um compromisso sério com Deus. Eu adorei o culto de jovens desse dia, e vi que sou muito amado e querido pela minha família e pelos meus queridos irmãos em Cristo da minha igreja. Fico muito feliz em saber que sou amado e querido pelas pessoas (existe uma meia dúzia de pessoas que me odeiam gratuitamente, mas nem Jesus Cristo agradou todo mundo, portanto, irei valorizar e dar atenção para quem gosta de mim de verdade).

Quero comentar sobre algo que me agoniou durante uma semana (inclusive, no dia do aniversário). Na faculdade onde eu estudo, um rapaz do meu grupo me ameaçou e me ofendeu por motivos fúteis e banais, e eu fiquei muito mal com isso. Uma moça do meu grupo também fica me atormentando, porque ela tirou uma nota baixa numa prova em grupo que eu fiz praticamente sozinho, e ela não sabia muita coisa, ou seja, mesmo assim ela saiu no lucro. Pensei seriamente em sair da faculdade por causa disso, mas eu conversei com o rapaz que me ameaçou e me ofendeu. Eu usei palavras brandas e mansas para falar com ele e até me desculpei por tê-lo deixado nervoso (por motivo banal e fútil). Esse rapaz não reconheceu o seu erro e ainda me tratou com soberba e arrogância. Pelo menos, eu sei que a minha parte eu fiz, e creio que agradei o coração de Deus com a minha atitude. Graças a Deus, aparentemente esse problema já está resolvido. Na verdade, eu nunca quis fazer faculdade, pois somente faço faculdade por causa da minha mãe mesmo. Não pretendo mais dar aulas, porque tenho pavor de falar em público, por isso, desisti de ser professor. Quero fazer outra coisa na vida em que eu seja mais valorizado.

Uma conclusão que cheguei é que Deus nunca me desamparou, e sempre me socorreu quando eu pedi a sua ajuda. O Altíssimo sempre me livrou quando eu precisei. Deus me mostrou que eu sou amado pelas pessoas (mesmo eu não tendo amor próprio). Adonai também tirou a angústia que atormentava o meu coração durante essa última semana que passou. Em relação a minha situação com as mulheres, eu também estou mais tranqüilo e sossegado, pois não sinto mais tanta agonia por causa disso. Por enquanto, eu estou mais preocupado em agradar o coração de Deus. O maior desejo do meu coração no momento é que Deus me liberte da escravidão do pecado, porque eu sonho em ser um homem livre. Não quero mais ser oprimido e subjugado pela minha carne. Desejo fazer a vontade de Deus, isto é, quero honrar o Todo-Poderoso com as minhas atitudes. O meu maior sonho (até mais do que ter uma esposa) é ser amigo de Deus. Eu adoraria ser amigo do Criador do Universo, pois desejo ardentemente me relacionar com Ele. Quero ter um compromisso sério com Deus. Decidi escrever este texto para agradecer a Deus pelo que Ele tem feito por mim, e espero que os casos que contei possam edificar em alguma coisa a vida de alguém.

terça-feira, 7 de maio de 2013

REVOLUÇÃO



Quem costuma ler os meus artigos perceberá que eu gosto muito de escrever sobre a relação dos cristãos com o Estado, ou seja, com as autoridades constituídas. Eu sempre uso embasamento bíblico para escrever sobre esse assunto, pois sou fiel as Escrituras Sagradas. Todos que me conhecem sabem que eu não deturpo o contexto de versículos bíblicos e nem distorço a História em meu favor. Como cristão e futuro historiador, eu tenho um compromisso sério com a verdade, portanto, não posso mentir (até porque eu odeio Satanás, o Pai da Mentira). Como sempre escrevo nos meus textos, eu afirmo categoricamente que os cristãos devem se submeter às autoridades governamentais, e que têm a obrigação de interceder em favor delas. Neste texto, quero escrever sobre a minha opinião a respeito das revoluções, se elas são justas ou não.

Em várias partes da Bíblia, é mostrado que o apóstolo Paulo falava bastante sobre o dever dos cristãos de se submeterem as instituições políticas; e na Carta aos Romanos, no capítulo 13 do versículo 1 ao 7, ele diz que o Estado é instituído por Deus para castigar os malfeitores e enaltecer os cidadãos de bem. O apóstolo Pedro ensinou a mesma coisa em sua Primeira Epístola no capítulo 2 do versículo 13 ao 17. Tanto Paulo quanto Pedro ensinaram a submissão ao Estado, portanto, os cristãos devem se sujeitar as autoridades. Mas, o que fazer quando o governo é injusto e repressor? A Igreja Primitiva e a Igreja Reformada tiveram atitudes diferentes em relação a esse dilema.    

A Igreja Primitiva foi muito perseguida pelo Império Romano, e no primeiro século, poucos cristãos se alistavam no Exército e ocupavam cargos públicos por causa do culto imperial e dos sacrifícios aos deuses. Também seria incoerente os cristãos perseguirem os seus irmãos em Cristo a mando do governo. Portanto, essa é a explicação mais coerente para explicar o porquê dos cristãos primitivos terem evitado se relacionar com o Estado. A Igreja Primitiva, apesar de toda a perseguição que sofreu, não se rebelou contra o Império Romano (inclusive, até os cristãos que eram militares não se rebelaram).

A Igreja Reformada se revoltou contra os seus perseguidores. Os luteranos na Alemanha, os huguenotes na França, e os puritanos na Inglaterra, empunharam armas e pelejaram ferozmente contra os seus opressores. Martinho Lutero ensinava a total submissão ao Estado, portanto, que o governo não obrigasse os cristãos a fazerem algo contra a Palavra de Deus. Já João Calvino e Ulrico Zuínglio, ensinavam que os cristãos poderiam se revoltar contra o Estado se este fosse injusto e repressor. Esses três reformadores eram grandes teólogos, e eles tinham embasamento bíblico para ensinar tanto a submissão como a rebelião.

Aqui no Brasil, durante a Ditadura Militar, o país viveu um grande dilema, porque os militares perseguiam, torturavam, e assassinavam todos os seus opositores com extrema crueldade (apesar de eu ser de direita, eu jamais apoiaria um regime execrável como a Ditadura Militar). Os guerrilheiros de esquerda empunhavam armas e pelejavam contra os militares para poderem redemocratizar o país. Naquela época, a esquerda brasileira era mais digna do que hoje, pois na atualidade, os esquerdistas somente querem se drogar e se prostituir; além de apoiarem o aborto e ficarem defendendo os bandidos. O interessante é que os esquerdistas lutavam por liberdade e pelos direitos dos trabalhadores no passado, mas, hoje, lutam em prol das drogas e do aborto. A esquerda brasileira perdeu a sua essência, que era pura. Eu decidi abandonar a esquerda por causa disso. Hoje, eu sou um “reacionário e conservador de direita” por causa das bizarrices que a esquerda brasileira prega. O lado bom da Ditadura Militar, é que naquela época, os brasileiros saíam às ruas para protestar, e até empunhavam armas para combater as injustiças do governo. Hoje, o povo brasileiro é “cordeirinho”, isto é, é passivo demais, e não luta por mais nada. Os brasileiros somente sabem reclamar da polícia e dos políticos, mas não fazem nada para mudar essa situação caótica. Talvez, nem seria necessária uma revolução para melhorar o Brasil, mas apenas bastasse que o povo lutasse por seus direitos dentro da legalidade, que já resolveria o problema. Uma coisa que me revolta muito é o descaso dos políticos com a população, que apenas criam leis para se beneficiarem, como, por exemplo, aumentarem os seus próprios salários enquanto os trabalhadores honestos morrem de fome. No caso do Brasil, eu acredito que é necessária uma revolução para melhorar o país.

domingo, 5 de maio de 2013

NATUREZA HUMANA



“Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam abominação; já não há quem faça o bem. Do céu olha o Senhor para os filhos dos homens, para ver se há quem entenda, se há quem busque a Deus. Todos se extraviaram e juntamente se corromperam: Não há quem faça o bem, não há nem um sequer”. (Salmo 14:1-3)

Segundo a própria Palavra de Deus, todos os homens pecaram e não podem se salvar a si próprios. Não adianta praticar boas obras para se salvar, que isso não adiantará de nada. Ninguém é bom o suficiente para alcançar a Salvação por mérito próprio. Por isso, Jesus Cristo sofreu e morreu numa cruz, para que todo o homem que aceitá-lo como o seu único e suficiente Salvador seja salvo. Somente o sangue de Jesus pode purificar os seres humanos de seus pecados. Apenas o sacrifício de Cristo pode resgatar os homens do Império das Trevas. A Salvação não é pelas obras, mas, sim, pela Graça. Portanto, o ser humano somente pode alcançar a vida eterna aceitando o sacrifício de Jesus em seu lugar, pois apenas o sangue de Cristo pode livrar o homem da morte eterna.

Comecei este artigo já pregando o Evangelho, mas também quero desabafar sobre a minha frustração com a raça humana. O pecado realmente é algo que entristece muito o meu coração, pois a maldade do homem me ofende, assim, como ofende também a Deus. Os seres humanos destroem a natureza por causa da ganância e matam a eles próprios somente por maldade. Os homens são ruins por natureza, porque a natureza humana é diabólica. O homem foi criado à imagem e a semelhança de Deus, mas a cada dia que passa, o ser humano se parece mais com o Demônio. Satanás furtou os corações dos homens com o mal. Os seres humanos são cruéis e perversos, pois eles se afastaram de Deus por causa de seus inúmeros pecados. A humanidade está fadada ao fracasso e a sua própria extinção se não renunciar a maldade e buscar a Deus. O Altíssimo já julgou a Terra com o Dilúvio por causa da maldade dos homens, e um dia julgará o mundo com fogo pelo mesmo motivo, mas recriará novamente a Terra, e todos os seus servos reinarão com Cristo na Nova Terra, que será um mundo onde não haverá mais a morte e o pecado. Será um mundo perfeito, onde não haverá mais poluição e desmatamentos.

Lembro-me dos horrores praticados pelos seres humanos durante o decorrer da História. A Inquisição, as Cruzadas, a Escravidão, o Nazismo, o Terrorismo, o Banditismo, o Satanismo, a hipocrisia religiosa, e a omissão diante do mal, são coisas que eu gostaria de esquecer. Como futuro professor e historiador que serei, eu deveria ser imparcial a respeito de tudo isso, mas eu não consigo ser indiferente diante da perversidade humana. Não consigo fingir que os problemas do mundo não são problemas meus. Não consigo acreditar na mentira de que o Marxismo mudaria o mundo para melhor, porque as ditaduras comunistas mostraram que o Comunismo Utópico de Karl Marx não funciona na vida real. Mas, o Capitalismo também não é grande coisa, ou seja, o Capitalismo apenas se fortalece da exploração e da miséria dos pobres. Portanto, sistemas políticos não resolverão os problemas do mundo. O único que pode ajudar a humanidade a progredir é Deus, o Criador do Universo. O Todo-Poderoso criou a Terra e seus habitantes, e Ele ama profundamente as criaturas que criou. Os homens prestarão contas a Deus por todo o sangue derramado (inclusive, o sangue dos animais). A Bíblia não condena o homem comer carne de animal para se alimentar, e nem um ser humano matar outro semelhante para se defender, mas Deus abomina o assassinato criminoso; matar os animais por esporte, e matar os homens por maldade é abominável para Deus. O homem civilizado procura a sua própria destruição. O pecado faz parte da natureza humana, e esse mal deve ser erradicado.