terça-feira, 26 de março de 2013

ABAIXO AO RACISMO



“O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons”. (Martin Luther King)

Eu sou de cor branca, mas digo com muito orgulho que os meus ancestrais eram negros e índios. O sangue africano e o sangue indígena correm nas minhas veias. Eu tenho muitos parentes negros. Os meus bisavós por parte de pai eram índios. Tenho muitos parentes nordestinos também. Apesar de eu ser “branquinho e clarinho”, sou fruto da miscigenação de várias etnias (não digo raças, porque esse termo já é ultrapassado). Eu nunca saberei dimensionar como é sofrer preconceito racial, porque eu não sou negro, portanto, nunca senti o racismo na pele, mas já sofri outros preconceitos, por isso, sei como é desagradável sofrer preconceito. Eu sou branco, mas a minha alma é negra e indígena.

Antes, de usar os meus argumentos bíblicos e históricos contra o racismo, quero dedicar este artigo aos meus queridos amigos, William e Everaldo, e a minha linda e inteligente amiga, Camila, (ela é a minha melhor amiga), e ao meu amado primo, Klayton. Todos eles são negros, e quero usar o meu talento de escrever para mostrar como essas pessoas negras são importantes na minha vida. Conheço outras pessoas negras maravilhosas também, mas se eu fosse contar sobre todas elas, eu teria que escrever um livro. Neste texto, pretendo esclarecer que a Bíblia nunca apoiou o racismo, ou seja, Deus não é racista. Quero contar bem resumidamente os principais fatores históricos e distorções da Bíblia que, infelizmente, têm fortalecido o racismo em nossos dias. O preconceito racial é uma praga que deve ser erradicada.

Primeiramente, quero afirmar que a sociedade está em débito com os negros, devido às atrocidades cometidas pela Escravidão, que dizimou incontáveis vidas e destruiu inúmeras famílias; e as bizarrices geradas por teorias baratas como o darwinismo social de Herbert Spencer, que resultou na desgraça do Nazismo décadas mais tarde, dizimando milhões de judeus, e incontáveis povos de outras etnias (inclusive, negros), porque os nazistas acreditavam que os judeus, negros, homossexuais, ciganos, e outros povos eram “macacos mal evoluídos”; além de seitas bizarras como a maldita da Ku Klux Klan (formada por crentes fanáticos e racistas). Esses fatores demoníacos resultaram na desgraça do racismo, que até hoje persiste em nossos dias, assombrando a humanidade. A intolerância racial e religiosa ceifou inúmeras vidas inocentes, porque os homens se esqueceram que os seres humanos foram criados a imagem e a semelhança de Deus, portanto, todos os homens são iguais.

Começarei pela distorção do trecho bíblico que conta sobre o mito de Cam, conhecido também como Cão, (o filho de Noé que foi amaldiçoado por ver a nudez de seu pai, quando este estava embriagado). Em Gênesis no capítulo 9 do versículo 20 ao 29, a Bíblia narra sobre os filhos de Noé, e sobre a maldição que Noé lançou sobre Cam e sua descendência (há a distorção diabólica que diz que os descendentes amaldiçoados de Cam são os africanos). Outros hereges também costumam usar a maldição contra Caim (filho de Adão e Eva) para justificar que os africanos são amaldiçoados. Tanto Caim como Cam são usados durante séculos para justificar a suposta inferioridade dos negros, para, assim, poder se justificar a Escravidão e o racismo. Quero dizer desde já, que esses argumentos são distorções e não são verdadeiros. A Igreja Católica, no passado, usou a maldição de Cam para justificar a escravização dos africanos. Hoje, existem evangélicos que praticam esse mesmo absurdo para poderem justificar o racismo. Quero destacar, que a esposa de Moisés, Zípora, era negra, e que o profeta Sofonias também era negro. No Novo Testamento, o diácono Filipe, se importou com a Salvação de um etíope que era eunuco, e o evangelizou e o batizou. No Cristianismo Primitivo, os cristãos de diversas etnias se tratavam como iguais, isto é, todos se consideravam como irmãos (independente se eram brancos ou negros, livres ou escravos).

Jesus Cristo sofreu e morreu numa cruz por todos os homens, tanto negros quanto brancos. Os asiáticos, os africanos, e os indígenas, que sofrem tanto preconceito, são alvos do amor de Deus da mesma forma que os brancos são. A vontade de Deus é que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade (homens de todas as etnias). O que importa não é a cor da pele, mas, sim, se as pessoas têm caráter, princípios, e valores. Gostaria de escrever mais sobre esse assunto, mas encerrarei aqui. Que Deus abençoe todos os povos.

Nenhum comentário: