quarta-feira, 19 de setembro de 2012

PÃO E CIRCO



O Império Romano costumava usar a “política do pão e circo” para controlar as massas. As lutas de gladiadores e as execuções públicas alegravam o povo. Pães eram distribuídos gratuitamente para acalmar a população. Com a política do pão e circo, Roma, conseguiu manter o controle sobre as pessoas leigas.
     
Hoje, a mídia e o futebol são a política do pão e circo usada pelo Sistema para poder alienar as pessoas. Sempre fiquei receoso em escrever sobre o futebol, porque eu sabia que seria crucificado se fizesse isso. Que ousadia minha falar mal do futebol no país do futebol, não é mesmo? Para mim, o futebol é o ópio do povo. As pessoas se alienam e se matam por causa de seus times. Conheço evangélicos que vivem em função do futebol, ou seja, eles são capazes de negarem a Jesus, mas não negariam o futebol. O futebol, junto com a mídia, são as maiores armas dos poderosos para poderem manipular as massas. Atualmente, está acontecendo um processo de idiotização das massas, pois a mídia e o futebol são armas perigosíssimas nas mãos de governantes inescrupulosos.

Eu sou cristão, e gosto muito de artes marciais. Já sofri muito preconceito no meio evangélico por causa de minha paixão pelas lutas esportivas. Conheço evangélicos que demonizam as artes marciais alegando que as lutas esportivas não prestam por causa da violência e da idolatria. Entretanto, o que vejo no futebol é somente violência, e uma idolatria insana praticada por inúmeros evangélicos. Esses mesmos cristãos que endiabram as artes marciais, cultuam o futebol, porque eles colocam o futebol no lugar de Deus em suas vidas. Eu gosto de lutas esportivas, e nunca me envolvi com a idolatria, e nem saio distribuindo porradas nos outros por aí.

A mídia, o Quarto Poder, é muito usada para alienar a sociedade. As novelas pregam somente depravação e promiscuidade. A mídia fazia manipulação psicológica para desarmar os cidadãos de bem no passado, mas não teve o êxito esperado. Hoje, a mídia quer enfiar goela abaixo o homossexualismo como sendo algo natural para a sociedade. Não tenho nada pessoal contra os gays, pelo contrário, eu acho que os homossexuais devem ser respeitados e valorizados como pessoas e cidadãos. Os gays são seres humanos também, portanto, eles também são alvos do amor de Deus. O que me incomoda, é a apologia ao homossexualismo que a mídia faz. Se uma pessoa escolhe ser homossexual, eu não tenho nada a ver com isso, e tenho que respeitá-la. O que eu acho um absurdo é a mídia e o governo quererem obrigar os religiosos a aceitarem o homossexualismo como sendo algo normal. Como já falei anteriormente, não desejo o mal dos homossexuais (eu abomino os neonazistas que perseguem os gays), mas não sou obrigado a concordar com o homossexualismo, pois esse é um direito meu. 

A fornicação, o adultério, e o homossexualismo, são os alicerces das novelas. Se uma novela não tiver essas coisas, então, ela não é uma novela de verdade. Dói no meu coração dizer isso, mas até as novelas da saudosa Rede Manchete apenas pregavam a depravação e a promiscuidade. Para mim, as novelas não prestam (exceto as novelas infantis, como a novela Carrossel). As pessoas se alienam nas novelas e no futebol para poderem fugir de seus problemas, mas isso não leva a nada. Incontáveis pessoas fumam, bebem bebidas alcoólicas, se drogam, e praticam o sexo ilícito, para poderem esquecer os seus problemas. Essas são as suas válvulas de escape (que as levam a destruição).

Na época da Ditadura Militar, a qualidade da televisão era muito melhor, mas ela também era usada para manipular as massas. A estratégia dos grandes ditadores é sempre proporcionar entretenimento para o povo, para poder distraí-lo. Não estou pregando que as pessoas não podem assistir televisão e gostar de futebol, mas apenas estou alertando as massas sobre a política do pão e circo usada pelo Sistema.