segunda-feira, 5 de março de 2012

OS VINGADORES DE DEUS


“Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade, resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação. Porque os magistrados não são para temor quando se faz o bem, e, sim, quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem, e terás louvor dela; visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal. É necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa do temor da punição, mas também por dever de consciência. Por esse motivo também pagais tributos: porque são ministros de Deus, atendendo constantemente a este serviço. Pagai a todos o que lhes é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra”. (Romanos 13:1-7)

O apóstolo Paulo foi bem claro quando afirmou na Carta aos Romanos que as autoridades governamentais são estabelecidas por Deus, ou seja, os agentes do Estado são ministros de Deus que têm a autorização do Altíssimo para usar a força para reprimir os criminosos. Os juízes, os promotores, os policiais e os militares são agentes da justiça divina, isto é, são vingadores de Deus para castigar os que praticam o mal. O governo tem a autorização de Deus para usar a espada (símbolo freqüentemente associado à morte como instrumento de sua execução) para castigar os malfeitores.

“Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do Senhor; quer seja ao rei, como soberano; quer às autoridades como enviadas por ele, tanto para castigo dos malfeitores, como para louvor dos que praticam o bem. Porque assim é a vontade de Deus, que, pela prática do bem, façais emudecer a ignorância dos insensatos; como livres que sois, não usando, todavia, a liberdade por pretexto da malícia, mas vivendo como servos de Deus. Tratai a todos com honra, amai aos irmãos, temei a Deus, honrai ao rei”. (1 Pedro 2:13-17)

O apóstolo Pedro também afirmou que a função do Estado é castigar os bandidos para que haja paz na sociedade. Tanto o apóstolo Paulo quanto o apóstolo Pedro foram claros em suas afirmações quando mostraram que o dever do governo é punir os malfeitores e enaltecer os que praticam o bem.

“Também soldados lhe perguntaram: E nós, que faremos? E ele lhes disse: A ninguém maltrateis, não deis denúncia falsa, e contentai-vos com o vosso soldo”. (Lucas 3:14)

João Batista era o precursor do Messias; e foi o homem mais justo que já existiu sobre a Terra. João Batista era primo de Jesus Cristo; e foi o maior de todos os profetas. O precursor do Messias em nenhum momento recriminou os soldados, pelo contrário, ele lhes incentivou a continuarem sendo soldados, portanto, que exercessem a sua função com honestidade.

“Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graça, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito. Isto é bom e aceitável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”. (1 Timóteo 2:1-4)

O apóstolo Paulo também nos ensinou que devemos orar por todos os homens, principalmente, em favor dos homens investidos de autoridade. A obrigação da Igreja de Cristo é interceder a favor das autoridades governamentais; e não ficar amaldiçoando os governantes. A Palavra de Deus é clara sobre a relação dos cristãos com as autoridades legalmente constituídas. Somente não enxerga que os cristãos não devem demonizar as autoridades governamentais, mas, sim, orar em favor delas, quem não quer.

As Testemunhas de Jeová e muitos evangélicos adoram endiabrar as autoridades legalmente constituídas, ou seja, eles se divertem demonizando e praguejando. Muitos desses hereges também adoram demonizar as artes marciais, mas as lutas esportivas são armas poderosas que podem ser muito úteis nas mãos dos agentes do Estado se elas forem usadas com sabedoria (portanto, que os militares e policiais se abstenham da idolatria). Espero ter sido claro e objetivo em meus argumentos. Que Deus seja glorificado hoje e sempre.

Nenhum comentário: