quinta-feira, 22 de setembro de 2011

OS CAVALEIROS DA ESPERANÇA


Um desenho animado que marcou muito a minha infância foi o magnífico anime “Saint Seiya”, conhecido também como “Os Cavaleiros do Zodíaco”. Uma coisa que sempre me entristeceu muito é a disposição e a facilidade que a maioria gritante dos evangélicos tem em ver o Diabo em todo lugar, menos onde ele realmente está. Os religiosos fanáticos têm muita dificuldade em ver coisas boas nos desenhos, porque geralmente eles somente vêem o que é ruim. Eu pretendo através deste artigo mostrar o que a Igreja de Cristo tem a aprender com o anime Saint Seiya.

Os cavaleiros de bronze, Seiya de Pégaso, Shiryu de Dragão, Hyoga de Cisne, Shun de Andrômeda e Ikki de Fênix; são conhecidos como “Os Cavaleiros da Esperança”. Esses jovens cavaleiros combatem vilões maléficos para poderem proteger a Terra e a humanidade. Esse anime ensina muitos princípios morais, ou seja, ensinamentos bons; como, por exemplo, a honra, a amizade, a dignidade, a bondade, a honestidade e a coragem. Esse desenho destaca muito o valor da amizade (algo que muitos evangélicos precisam aprender). Esses cavaleiros estão dispostos a morrer um pelo outro e a morrerem lutando pelo que acreditam. Hoje, eu duvido que a maioria dos evangélicos morreria por Cristo ou daria a vida para salvar algum amigo. O que eu vejo nas igrejas evangélicas é um evangélico querendo passar a perna no outro. Dentro da Igreja eles são santos, mas fora esquecem que Deus existe com a maior facilidade. Agora, irei mostrar os momentos mais emocionantes do anime Saint Seiya para mim, isto é, em que eu pude aprender valores que não aprendi na Igreja Cristã.

Logo depois da Guerra Galáctica, os cavaleiros de bronze enfrentaram Ikki de Fênix, o líder dos terríveis cavaleiros negros (nessa época, Ikki, ainda era mau). Os cavaleiros do bem venceram os terríveis vilões. O momento que mais me marcou foi quando Shiryu foi levar as armaduras para o Mu de Áries consertá-las, e provou o valor de sua amizade arriscando a sua própria vida, dando o seu próprio sangue para restaurar as armaduras. Depois, Shiryu enfrentou o Dragão Negro, e esse vilão se tornou bom, porque descobriu o que era a amizade. Ikki se converteu depois de ser derrotado por Seiya, e sacrificou a sua própria vida combatendo o gigante Dócrates para salvar os cavaleiros de bronze. Hyoga, que tinha sido quase morto por Ikki, o perdoou e se tornou seu amigo.

Na luta contra os terríveis cavaleiros de prata, Pégaso e Andrômeda foram transformados em pedra por Algol de Perseu. O cavaleiro de Dragão se cegou (ele furou os seus próprios olhos) para poder derrotar Algol e salvar os seus amigos. Esse anime ensina muito o sacrifício altruísta em beneficio dos outros.

Na batalha contra os cavaleiros de ouro nas doze casas, os cavaleiros de bronze foram extremamente persistentes e arriscaram as suas vidas para poderem alcançar o seu objetivo, salvar Saori Kido. Claro, que não concordo com a idolatria e a astrologia envolvidas nesse desenho animado, mas admiro a reverência e o amor que os heróis têm pela deusa Atena (algo que não vejo nas igrejas evangélicas em relação ao Deus judaico-cristão). Devemos reter de tudo o que é bom. Inclusive, reter o que tem de bom nos desenhos animados que o Josué Yrion e seus seguidores adoram demonizar.

Eu aprendi muitas coisas boas através do anime “Os Cavaleiros do Zodíaco”. Infelizmente, eu acabei aprendendo muitas coisas ruins com certos evangélicos que dão mau testemunho e levam as coisas de Deus na brincadeira. Os evangélicos precisam aprender o valor da amizade e do sacrifício altruísta em prol da justiça. Os cristãos precisam fazer a diferença na sociedade, sendo o sal da Terra e a luz do mundo. Existem muitas coisas boas nos desenhos, e apenas não enxerga isso quem não quer.

Nenhum comentário: