quinta-feira, 15 de setembro de 2011

O DIREITO DE RESISTIR AO ESTADO


“Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas”. (Romanos 13:1)

Em várias partes da Bíblia (principalmente no Novo Testamento), Deus ensina que os homens devem se sujeitar as autoridades, porque o Estado é instituído por Deus. Os cristãos que não aceitam isso, não acreditam na Palavra de Deus. Todos os governantes do mundo são estabelecidos por Deus, porém, nem todos eles fazem a vontade de Deus. Então, o que fazer quando o governo é contrário aos mandamentos de Deus? Neste artigo, eu pretendo mostrar a posição dos cristãos durante a História em relação às autoridades governamentais.

Os cristãos primitivos pagavam os seus impostos e se submetiam aos seus governantes pagãos. Entretanto, a maioria deles não se alistava no Exército e nem ocupava cargos públicos, por causa do culto imperial e dos sacrifícios aos deuses. Muitos dos primeiros cristãos eram militares e políticos (apesar de terem sido a minoria), como, por exemplo, os oficiais romanos Cornélio, Sebastião, Jorge e Expedito; e o procônsul Sérgio Paulo e os cônsules Flávio Clemente e Acilius Glabrio. O Império Romano era repressor e escravocrata, mas nem por isso os apóstolos, Pedro e Paulo, negaram a sua legitimidade. Jesus Cristo em nenhum momento desrespeitou o Herodes Antipas e o Pôncio Pilatos, pelo contrário, Ele se submeteu a eles, porque reconhecia que Herodes e Pilatos eram autoridades estabelecidas por Deus (mesmo eles sendo homens maus). Os cristãos primitivos geralmente eram bons cidadãos (apesar de terem existido anarquistas e anti-semitas entre eles), mas muitas vezes, os primeiros cristãos desobedeceram ao governo para poderem pregar o Evangelho e por se recusarem a cultuar o imperador e os deuses pagãos. Jesus Cristo e os apóstolos sempre ensinaram a submissão às autoridades governamentais, portanto, que elas não obriguem os cristãos a desobedecerem aos mandamentos de Deus. Em primeiro lugar devemos obedecer a Deus e depois o Estado.

A Igreja Reformada teve uma postura diferente da Igreja Primitiva, porque os protestantes se rebelaram contra os seus governos repressores. Martinho Lutero ensinava a total submissão ao Estado; já João Calvino e Ulrico Zuínglio apoiavam as revoluções armadas contra os governos repressores. Os luteranos, os huguenotes e os puritanos pelejaram ferozmente contra os seus opressores. Houve muitas batalhas sangrentas entre católicos e protestantes. Muitos cristãos reformados eram guerrilheiros que empunhavam armas para poderem combater a Igreja Católica (que mandava nos governos seculares).

Eu sou um estudioso da Bíblia e da História; e com o conhecimento que adquiri, pude perceber que quase todas as revoluções resultam em novas ditaduras. Houve exceções, como, por exemplo, o capitão Jeú, que no Antigo Testamento, se rebelou contra os reis, Jorão e Acazias (nesse caso, Jeú, teve a aprovação de Deus); e as revoluções de alguns países que lutaram por suas independências.

Existem governos comunistas e islâmicos que perseguem os cristãos sem piedade, e nesse caso os cristãos desobedecem ao Estado para poderem pregar o Evangelho. Inúmeros cristãos durante a História foram torturados e mortos por governos repressores, porque amavam a Deus acima de todas as coisas.

Na minha humilde opinião, eu não sou muito a favor de revoluções armadas contra o Estado, mas sou totalmente favorável que os cidadãos de bem cobrem das autoridades os seus deveres e se oponham pacificamente. A vontade de Deus é que o governo não seja corrupto e nem repressor, mas, sim, um ministro de Deus para o bem-estar da sociedade. Deus instituiu as autoridades governamentais para estabelecer a lei e a ordem no mundo. Por causa do pecado, o homem é ruim por natureza; por isso, Deus estabeleceu o Estado para que ele seja um intermediador entre os homens. Há diferença entre a vingança pessoal e a correta justiça aplicada pelo Estado. A justiça pertence a Deus e as autoridades legalmente constituídas. É errado fazer justiça com as próprias mãos. Os homens precisam de regras para poder viver em sociedade. Existem religiosos alienados que dizem que os cristãos são embaixadores de Cristo e, por isso, eles não podem se envolver com a política. Isso é mentira do Diabo, porque Deus nunca condenou a política. A obrigação de todos os cristãos é intercederem a favor das autoridades governamentais, para que os governantes governem com justiça.

2 comentários:

VJ disse...

po cara gostei muito desse post, acho que a idéia é fazer como já fizeram, obedecer as leis sim, porém aquilo que é contrario a Deus, bom quanto a isso não da pra obedecermos

mas lembrando que em tudo que desobedecermos os nossos líderes colheremos as responsabilidades de nossos atos

Reflexões de Filipe Levi disse...

Fico feliz que você tenha gostado! Que Deus te abençoe.