quarta-feira, 1 de junho de 2011

O CRISTÃO E A POLÍTICA



“A desgraça dos que não se interessam por política é serem governados pelos que se interessam”. (Francisco Weffort)


Durante toda a história do Cristianismo, sempre tiveram os santarrões que demonizam a política alegando que Jesus disse que o Reino d’Ele não é desse mundo, mas esses alienados também esquecem que o próprio Cristo reconheceu que o poder que Pilatos tinha foi concedido por Deus, e Ele também ordenou aos cristãos que pagassem os tributos e impostos ao Estado. O pior analfabeto é o analfabeto político, pois ele não sabe de nada sobre o que acontece em seu país. A omissão também é uma postura política, porque o sujeito que se omite se conforma com o que está acontecendo de errado. O imbecil não sabe que é a sua omissão que causa a corrupção e o descaso das autoridades em relação ao povo. É fácil dizer “os políticos são todos corruptos” ou “os políticos não se importam com o povo mesmo”, pois assim é mais cômodo do que cobrar das autoridades o seu dever, que é suprir as necessidades básicas do povo.


Existiram Pais da Igreja (como o Justino Mártir, o Tertuliano de Cartago, o Hipólito de Roma, o Orígenes de Alexandria, o Cipriano de Cartago e o Lactâncio) que sentiam prazer em demonizar as autoridades governamentais. O interessante é que o próprio Jesus Cristo e os apóstolos ensinaram a submissão às autoridades e em nenhum momento eles as demonizaram. Na Carta aos Romanos no capítulo 13 do versículo 1 ao 7, o apóstolo Paulo deixou bem claro que o Estado é uma instituição estabelecida por Deus para castigo dos malfeitores e louvor dos que praticam o bem. Na Primeira Epístola de Pedro, o apóstolo autor dessa Carta afirmou no capítulo 2 do versículo 13 ao 17 praticamente a mesma coisa que o apóstolo Paulo. Ambos os apóstolos afirmaram que a função do Estado é promover a justiça.


Contarei algo que poucos sabem, pois pesquisando na Internet (em sites sérios) descobri que os Pais Apostólicos, Policarpo de Esmirna e Clemente de Roma, reconheceram que as instituições políticas são estabelecidas por Deus, e de que os políticos são alvos das orações dos cristãos e do amor de Deus. Jesus Cristo sofreu e morreu numa cruz para salvar políticos também. Policarpo e Clemente sabiam que a oração do justo pode muito em seus efeitos e ensinavam os cristãos a interceder a favor das autoridades constituídas. Jesus e os apóstolos ensinaram que os cristãos devem orar a favor de seus perseguidores e amar os seus inimigos. Durante os três primeiros séculos, as autoridades governamentais eram os inimigos dos cristãos e os perseguiam implacavelmente.


Não importa se o cristão escolhe a esquerda ou à direita como preferência política, mas o que o servo de Deus não pode fazer é se alienar politicamente. Esse papo furado do Diabo de alegar que a tendência no mundo é piorar mesmo é desculpa de vagabundo que prefere cruzar os braços a fazer algo para mudar. Os cristãos devem fazer a diferença em todos os setores da sociedade e não ficar com frescura sentados nos bancos das igrejas sem tomar atitude nenhuma. Os cristãos devem orar pelos governantes e cobrar deles as suas obrigações, no entanto, Deus às vezes coloca homens perversos no poder com algum propósito, e mesmo assim, os cristãos devem interceder a favor deles para que eles tenham mais consciência e se convertam. Portanto, os cristãos não podem se omitir diante das coisas erradas, porque os pecados de omissão são tão graves quanto os pecados de comissão.


Eu posso até ser chato em insistir sempre nos mesmos assuntos, mas faço isso, porque a Igreja despreza essas coisas. Eu somente quero que a Igreja faça a sua parte, para que os políticos sejam realmente ministros de Deus para o nosso bem.

Nenhum comentário: